segunda-feira, 31 de agosto de 2015

38 - Leito...



 

Vazio,
clama como uma armadilha,
pelo movimento sedutor
nossos corpos,
saudade do reencontro
perdido no tempo
vontade dilacerante
reencontro carnal,
da perfusão das almas
que habitam em nós,
geme por nós
cada um
na ânsia
de amar
deduzida
distancia,
que nossos
corpos castiga
mãos ausentes
trémulos corpos
ávidos de beijos
carentes desejos,
possantes vontades
de dar corpo a verdades
que amor é uma loucura
carente que dura
a verdadeira eternidade,
expoente máximo da loucura
na sofreguidão da armadilha
onde a saudade alicia,
aos prazeres de novo dia!
Alberto Cuddel
 
 


Enviar um comentário