terça-feira, 11 de agosto de 2015

Travessia do deserto



Despeço-me da vida conscienciosa,
E ingloriamente, adormecida, sonhada
Revolvida nas areias soltas
Árido deserto de seres pensantes,
Que buscam certezas a cada fino grão,
Arrastado pelos ventos das discórdias!
Árida paisagem ponteada por oásis
Alegada sabedoria e tolerância,
Viajem inóspita, tal travessia
(Arrasto-me, desesperadamente)
Ao acordar, uma gaivota, ares frescos,
Vagas de um discurso entendível,
Filosoficamente coerente, assistido,
Nas rochas, escutas-me, eu escuto-te,
Do sonho, as palavras, deram em (a)mar!


Alberto Cuddel


Enviar um comentário