segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Escolhi amar-te XXI


O tempo é demasiado curto, demasiado denso, para o desperdiçar em futilidades orgânicas de uma relação que acusa o desgaste temporal das engrenagens sujas pelo excesso de cansaço acumulado na labuta constante do veraneio do ano! O amor pode muito bem ser gasto ou ganho de tempo, apenas depende de ti, como me sentes em mim, pode apenas ser alguém que nos olha e pede um abraço, no silêncio do sorriso de um olhar cabisbaixo, para nos deixarmos proteger, do tempo gasto e nos protege mesmo.
 
Tudo o que se quer com tanta força é apenas acaso, decisão diária da escolha matutina, se calhar é isso, quero-te desde que te vi, desde que te escolhi ver em mim, e assim me conseguiste ver através do meu olhar. Se tu soubesses que nunca calcorreei as pedras da calçada em vão, que fiques permanentemente ciente, que nunca meus pés se moveram em outra direção que não me levasse a ti. Mas a verdade é que  invejo, os teus passos ordenados a caminho da plenitude do meu eu, da vingança feroz de me escolheres de entre a multidão, da massa humana, fervilhante no auge hormonal que te escolhia, a cada dia, ou apenas por um dia, para te possuir ali no minuto!
 
O segredo é conseguir gerir, sonhar novos sonhos. Sonhos que consigam ocupar o espaço em branco deixado pelo sonho perdido de liberdade de escolha, por conscientemente abdicar em ti escolher outra pessoa. Escolher é Amar-me como se me tivesses descoberto agora, como se nunca me tivesses amado. Cada olhar um primeiro olhar, e a cada olhar, um novo brilho na pele, um novo corpo descoberto, uma nova curva na alma. O amor consiste na capacidade de encontrar todas as paixões num só corpo, e entregar todo o corpo, de toda a alma à paixão, como se todo o sexo, nos unisse num novelo intemporal sem fim!
 
Por onde vais quando não te vejo? Quando te ausentas de mim em direção a este? Onde roubas toda minha liberdade, absolutamente toda por um beijo, deixando-me suspenso, como num limbo, no sono adormecido dos deuses, até que por um beijo me despertes, pedindo que escolha, apenas mais um dia, desejas, procuras, imploras, que escolha amar-te!
 
Alberto Cuddel ®
 
 
 
 
 
 
 
 
 


Enviar um comentário