quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Escolhi Amar-te porque me Amava VIII

…na porta que fecho atrás de mim, levo comigo a saudade, o teu perfume impregnado na minha pele, no perfume agridoce que inunda o ar em volta do nosso leito. Abandono-te, como Deus te fez, sob a ténue luz que timidamente entra pela janela semifechada, extenuado, de sorriso nos lábios, pelo prazer com que me brindaste, com que eu te brindei, pelo louco e frenético movimento com que nos amamos, uma e outra vez.
…noite esta, em que me abraçaste no beijo, em que me elevaste o desejo ao abismo da loucura, em que me amaste com todo teu corpo, toda a tua alma, cada centímetro da minha pele beijada por ti, em mim a doce paixão da humidade dos teus lábios, e eu? Que agora te abandono na louca vontade e desejo de te voltar a ter em mim…
Ficas, sabendo-me desejada nos teus doces sonhos, apenas num suave e doce beijo de despedia, até que o tempo nos junte em nós. Ficas… sei no íntimo da minha alma, que faremos amor muitas vezes, hoje, mesmo sem estar junto a ti, sei que nos teu doces pensamentos me irás possuir vezes sem fim, que me oferecerás todo o prazer.
Farás amor comigo nos pequenos gestos do teu dia, nas tarefas domésticas, no cuidado, nas compras, nas prendas com que me brindas…
Fazes amor comigo, nos doces sabores que para mim preparas aguardando-me ao jantar…
Amo-te por me saber amada em ti, aguardando ansiosamente a noite, para que ela se deite de novo em nós, nos desejos da nossa pele…
 
M. Irene Cuddel®
Enviar um comentário