quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Escolhi Amar-te porque me Amava XI


…Quantas vezes os planos para uma manhã plena de cumplicidade, partilha, e muita intimidade à mistura saem completamente gorados…

…acordas, na doce convicção de um manhã plena de sensualidade… pressa, um pequeno almoço a correr, o levar o filho à escola, o cérebro a mil à hora, eu, preparando-me, criando o pleno ambiente, aproveitando e convertendo o pouco tempo que nos dedicamos um ao outro por força das nossas atividades profissionais, queremos que seja perfeito este momento, proporcionado na plena conjugação de turnos.

…chegas…hummm, finalmente, quero-te aqui, agora, junto de mim… sonhamos, ansiamos este momento há dias, criamos uma sensual atmosfera, nas conversas que mantinha-mos, nas mensagens, nos bilhetes, espero-te, quente, ansiosa… vem…

… porra… mas que é isto, do andar de baixo, o ruido ensurdecedor de um berbequim, martelos, batidas na parede, como é possível, hoje, logo hoje, a nossa vizinha resolve entrar em obras… há dias em que o mundo conspira contar nós… nada, nem um sonho, uma vontade, um querer, nada se aguenta…

… podemos ter toda a vontade do mundo, toda a cumplicidade, todo o desejo, mas existem variantes, condicionantes fora de nós, que arruínam todos o projetos e sonhos… mesmo assim, apenas a compreensão, a boa vontade, e o muito amor, te mantém, eu sei amor… quem sabe amanhã, ou depois, aqui ou num sitio qualquer…

Amas-me e no teu amor amo-te, amando-me a mim também em ti!...

M. Irene Cuddel®
 
 
Enviar um comentário