domingo, 3 de abril de 2016

Porque me Amava XXVII


Porque me Amava XXVII

 

Recordamos hoje, que não envelhecemos, que nos merecemos, que no fundo não crescemos, somos quem fomos, como e onde fomos…

Ultrapassamos barreiras, transpusemos fronteiras, amainamos tempestades, sofremos saudades, dialogamos, silenciamos, falamos calados, gritamos sentados, passeamos de mão dada, às vezes bem afastada, mas não crescemos, somos quem fomos, como e onde fomos…

Amamo-nos, na feracidade do fogo juvenil da paixão, amamo-nos com a calma de dois velhos amigos ao pôr do sol, como amantes, amigos, namorados escondidos, mais um dia, por um dia. Amar é a forma mais simples de coabitar contigo em mim. Coabitamos um no outro por uma decisão consciente de assim nos amarmos um no outro, há tempo suficiente para ter a certeza de que queremos continuar a viver e amar assim…

 

M. Irene Cuddel®
Enviar um comentário