domingo, 3 de abril de 2016

Porque me Amava XXVIII

Porque me Amava XXVIII
 
Sentada na borda do nosso leito, hoje vazio de ti…
 
Sorrio, deixo-me levar pelos pensamentos, não pela angustia da tua ausência, mas pelas memórias gravadas no meu coração, pelo sabor do beijo de despedida, pela alegria das vitórias, por um Amo-te fora de horas, por saber teus também meus sonhos, por saber tuas as minhas vitórias!
 
Sentada na borda do nosso leito, deixo-me levar, no sonho, navego pelo teu corpo, pela memória do teu cheiro impregnado em mim, pelo sonho de um amanhã, nos projetos que juntos sonhamos, que juntos inscrevemos em nós.
 
Aqui, agora, não entendo como pode alguém deixar de amar, como pode alguém arrancar parte de si mesmo, abandonar as escolhas que fez, que sonhou, que juntos sonharam! Sinto a tua falta, mas sei que me pertences, e que levaste contigo também parte de mim. A vida insiste em separar-nos, mas a cada tentativa, mais comprometidos um no outro nos tornamos, Amo-te por que me amo em ti!
 
M. Irene Cuddel®
 
 
 
 
Enviar um comentário