sábado, 24 de setembro de 2016

Ciclicamente


Ciclicamente
 
Nefasto tempo
Equinócio que me desbrava
Uma folha esvoaça
Nos ventos da memória
Dourada, gasta pela vida
No chão morre sob o peso
Dos duros passos da humanidade
Alimento amorfo de nova vida…
 
Alberto Cuddel®
23/09/2016
In: Palavras que circulam - XVII

Enviar um comentário