terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Sopro




Sopro

Quantas vezes soprei em ti, felicidade
[e esperei pacientemente]
Arrogância feminina, como fiel amestrado
Entre lágrimas sofri calado
[ainda há homens que sentem]
Solidão castradora do faroleiro
Levando a luz ao mundo
Indicando o rumo, caminho
E ele? Apenas, quedo, esperando…

Enjeitei-me nos sonhos que gritam
E nos outros que se inquietam
Na sedução matreira de quem
De longe pressente a carência
De uma dura castração física do ser…

[malvados bichos esses de serem mães]
Rubros lábios sedutores
Apelos ao pecado da carne
Deita-te, sacia-te – só te ama quem te sacia a “fome”
Andarilho do tempo, tentações ardilosas
Ao longe chamam ninfas…

Sopro que retorna
Que me desperta
Que me desvenda
A total verdade
Do ser em mim
Felicidade…

Como fazer amor?
Sempre apenas espero
O sopro que me acorde…

Alberto Cuddel

Enviar um comentário