quinta-feira, 13 de abril de 2017

Vida por viver…

Vida por viver…

Tão longe e distante o fim dos dias
E a minha pressa de vida…

Expressão intelectual da emoção,
Indistinta da vida, dessa que corre lá fora
Na juventude correria das horas
E a vontade de ser e fazer, tudo e coisa nenhuma
Na ideias abertas que me aprisionam,
As ciências distorcidas e filosofias vãs
E eu? Quem sou, sem te perseguir
Formo-me na consciência cabal
De irei ser, o tudo que de mim farei
Na consciência de que tudo me condiciona…

Vida,
É com esse sonho que fazemos arte.
Outras vezes com a emoção
A Paixão é a tal forma forte que,
Embora reduzida a acção, a acção,
A que seduz, já não a satisfaz!

E a vida, essa coisa esquisita
Que passa diante de mim
Dia a pós dia…
Terei pressa,
Calma, tempo…
Mas ainda a irei sonhar,
Viver, sentir
Apaixonar,
Amar…
Sem pressa…
Bem devagar…

Alberto Cuddel
13/04/2017
11:21

Foto By Vasco Rafael

Visitem a pagina:



Ao teu serviço

Ao teu serviço

Prostro-me por terra, não como escravo
Mas como disponibilidade, ao teu serviço
O maior entre nós, não é o que é servido
Mas o que se dá pelos outros, chamam-lhe amor…

Neste quarenta dias caminhamos contigo,
Hoje caio por terra quando te ajoelhas sozinho,
Bem antes da instituição da refeição sagrada,
Deste-nos uma grande lição,
Não devemos contigo comungar,
Com a alma vazia de nada…

O pó que de meus pés retiras,
É o pó da longa e dura estrada,
Lavando o pecado que conhecias,
Com essa água abençoada!

Ao inverter os papeis Cristo
Coloca-se ao serviço dos homens
E nós? Nossas mãos? Que doação?
Sofre na carne a dolorosa paixão,
Para nos dar um exemplo…
“Eu vos dei o exemplo,
para que façais o que eu fiz’”

“Se não te lavar,
não terás parte comigo”.
Não poderás comungar,
Nem ascenderás ao paraíso!

Prostro-me diante de vós
Com pequeno que sou
Também eu sou servo
Também eu sou mãos
Também eu sou instrumento
Também eu sou pecador!

Alberto Cuddel
13/042017

11:00


O cheiro das coisas

O cheiro das coisas

Soube que amava
Quando senti o cheiro das coisas
Quando as largas narinas se encheram de margaridas
De rosas, de papoilas, de jasmins, de lírios
E de merda, das ovelhas que percorreram o carreiro…
Mesmo assim corria para ti…
Agora sei a que cheiram as coisas
Interessam-me os cheiros, e o teu
Às vezes cheiro-te mesmo antes de te ver…
Outras, não me incomodam os cheiros
Da tua indisposição…
Mas hoje, hoje interessam-me os cheiros,
Esses, e os outros…
Mesmo que a coisa seja a mesma
Apenas com um cheiro diferente…

Alberto Cuddel
12/04/2017
15:01

Visitem a pagina:





quarta-feira, 12 de abril de 2017

Longe...


Longe…

A vida corre distante, longe
Fora dos muros que me prendem
Fora da maternidade que me formata…
As paredes oprimem
A tinta dos livros, as paginas
A vontade de ir, partir
Saber e conhecer…

Ao longe a vida
Uma triste miragem
Um rebando,
Formigas num carreiro…
Mas ler é uma maçada
Não dá que comer
E aprender não serve de nada
Nem nos ensina a viver

E eu na minha triste e longínqua ignorância
Acreditei…

Alberto Cuddel
12/04/2017
Às 10:52

Foto By Vasco Rafael
Mangualde - vista da Senhora do Castelo


segunda-feira, 3 de abril de 2017

…….


…….

Não sei escrever o amor que sinto
Tão pouco pintá-lo em tela – abre-me o peito
Gestos dormentes que me caem dos braços
Braços que te ladeiam no conforto do corpo
Corpo confirmado no sangue gerado, amor!

Mutilas a alma, desnudada virtude
Segues noite dentro, vontade que funde
Olhares cegos que penetram nos meus
Vida que se exprime fitando os céus!

Nas línguas que se enrolam – “Je t'aime”
Romanticismos exaustos,
- Exploramos nas mãos, fartos seios…
Na troca proibida de gemidos e beijos!

Anoitece nas sombras que pairam no tecto
Entre a prisão desejada das tuas pernas
E a liberdade concedida pela roupa
Que dorme espalhada no chão…

Alberto Cuddel


domingo, 2 de abril de 2017

Amor pela eternidade

Amor pela eternidade

Mesmo que encontre nas feições do teu rosto
Apenas as nuvens que correm
Sei que me amas, que me amaste
Na plenitude do meu ser, hoje memória

Onde os outros te choram
Eu… ternamente sorriu
Pertences-me, estás verdadeiramente em mim
O Deus que te ausentou
É o mesmo que me fortalece
Na certeza que nos uniremos
Para além da carne que hoje me suporta…

Encontro o teu sorriso espelhado
Nas manhãs, no meu reflexo…
O amor que nos une,
Jamais foi circunstância
Mas a fusão plena das almas…
Que hoje ternamente se esperam…

Alberto Cuddel