sábado, 6 de maio de 2017

Ensaio sem voz


Ensaio sem voz


 

Quando a voz fatigada

Descansa do seu ofício

- Canta o olhar

 

O sono que repousa nos braços

Caídos e desmotivados

 - Tocam as liras

 

Das velas apagadas

Luares secos, ruas desertas

 - Dançam os pés

 

Brincam perdidas as letras

Rodopiando nos pratos

- Comendo uma canja

 

E no silêncio inventam rimas nos ecos…

 

Alberto Cuddel

03/05/2017

20:50


Enviar um comentário