quarta-feira, 7 de junho de 2017

A tarde...

A tarde...

A tarde que cai no jardim
Uma tarde de chuva enfim
Como choram os lírios
E outros, delírios os que choras?

As rosas feridas nos seus espinhos
E as margaridas que sorrido
Espreitam o sol que se esconde
Homem, homem, isso foi ontem...

Hoje, morrem os sonhos em bancos
Húmidos e abandonados por mim
Túlipas que despontam, apartando
Terra solta, onde crescem as ervas...

Fungos e parasitas desgastam a carne
Podre que jaz após a morte...
E isso, apenas isso alimenta o mundo
E a fome de um amanhã...

Alberto Cuddel
03/03/2017 16:52


Enviar um comentário