sexta-feira, 23 de junho de 2017

Cai na rua


Cai na rua

desci à rua vendo a saudade passar
homens que tropeçam em algibeiras vazias
praças sem cor, sem luz, e os dias que passam
e livros que se queimam,
tempo que não se quer saber
e o saber nada é, com tudo no bolso
e mesmo assim, ninguém sabe quem foi…
são largas as palavras caladas
as que tropeçam nos dentes
as que reprimo, e as que choram lembrando
liberdade, essa de nada saber
como pensas se nada sabes?
caio na rua, moldando as mentes vazias
o poder, nas patas de cães disfarçados
de rebeldes amestrados que os conduzem pela mão…



Alberto Cuddel

Enviar um comentário