sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Candidato inédito!


Zurrava o burro bem-falante,
Do alto do seu grande palanque,
E o povo contente o aplaudia,
Pior que o que estava ninguém fazia!

Há povo tonto e ignorante,
Levado ao engano por um burro falante,
Promessas de engano, aos montes fazia,
Ao poder chegado sabia que não cumpria!

Há esperto burro falante, 
Do alto do seu palanque,
Assim enganas o tonto povo oprimido,
Dizendo o que o ouvido queria,
Só o voto interessa na urna nesse dia,
Para no poder encher o bolso corrompido!

Assim ao engano, nenhum burro diz verdade,
Pois o povo não entende o que é a liberdade,
De escolher em consciência o que verdadeiro ouve,
Promessas não cumpridas que no passado houve,
Não fazem escola na memoria na hora de escolher,
Quem melhor nos governa e melhor nos faz viver!

Alberto Cuddel
06/02/2015

Ps. E o burro sou eu? O burro sou eu?

Enviar um comentário