sexta-feira, 22 de maio de 2015

Alfa derrotado,

Alfa derrotado,

Trago na boca o sabor amargo da derrota,
Sangue da vida, que se esvai, quente brota,
Rejeição da matilha por fraco sensível ser,
Lobo que homem um dia ousou sonhar viver!
 
Preso entre ele e os outros, entre ser e fazer,
Enclausurado escondido, para não ser revelado,
Afastado por uns, incompreendido por escrever,
Segue solitário o seu destino, longe foi exilado!
 
Percorre virtuais destinos, preso no passado
Corre fugindo do querer a que foi destinado,
Vales de suplicas, serras do atroz sofrimento,
Uiva, grita, se detém, tudo por um momento!
 
Vida que congrega, separa, junta e agrega,
Vida que se sonho que o sangue segrega,
Vingança atroz que o passado persegue,
Seca na garganta sacia, anseia e segue!
 
Abandono, solidão, pela fraqueza da alma,
Capaz de si próprio, abraça, e com calma,
Abonadona a vida na sensibilidade da alma!
 
Alberto Cuddel
Enviar um comentário