sábado, 10 de janeiro de 2015

Janela…


Sentei-me quieto junto há janela do tempo,
Vendo por mim passar o passado distante,
Relembro brilhantes momentos vividos,
Tristezas passadas, os sonhos perdidos,
Perdas chutadas, revolta inconstante,
Janela aberta, ferida que sangra,
Palavras atiradas, como arma na zanga,
Revivo caídas a folhas no pátio,
Sonhos de verão que migraram no inverno,
Saudade de tudo, no nada que ficou,
Vazio por dentro, palavra que vento levou,
Vontade perdida de sair do caminho,
Sem força para quer deixar-me sozinho,
Rota marítima contra o penhasco,
Roto que esta o martirizado casco,
Negra tempestade se abate do céu,
Nada fica impune nem meu nem teu!

Poeta sentado, sentindo calado,
Dor solitária, no peito apertado,
Janela da vida que quero fechar,
Por dentro não dá,
Por fora terei que saltar!

Alberto Cuddel
10/01/2015

Auto-retrato
 






Enviar um comentário